(32) 3025.4344 | (32) 99129.0617

Argila branca: para que serve o ativo? Confira!

Ajuda a tratar manchas na pele?Controla a oleosidade? 6 dúvidas sobre o ativo

A argila branca é uma poderosa substância que faz parte da rotina de skincare de muita gente. Mas, antes de ficar famosa entre as blogueiras, a argila já era conhecida entre os gregos e egípcios por conta das suas propriedades medicinais para a pele.

Mesmo com tantos benefícios, muita gente ainda não sabe para que serve a argila branca e quais as diferenças dela para outros tipos, como a verde.

Confira curiosidades sobre a argila branca:

1. Argila branca: para que serve?

A argila branca proporciona uma série de benefícios para a pele, como, por exemplo, a sua ação adstringente. Ela ajuda a prevenir cravos e espinhas, além de controlar a oleosidade da pele. Essa substância também é famosa por auxiliar no tratamento de manchas por possuir propriedades que amenizam essas marcas.

2. Só serve para a pele?

A argila branca proporciona benefícios não só para a pele, mas para os cabelos também. É indicada principalmente para os fios mais danificados, porosos e quimicamente tratados, pois tem a função de regular o ph do couro cabeludo, hidratar, nutrir, dar brilho e controlar a oleosidade. A argila branca tem ação muito suave e por isso, não possui contraindicações, podendo ser usada em qualquer tipo de cabelo.

3. Auxilia na prevenção do envelhecimento?

Sim! Ela também é capaz de auxiliar na prevenção do envelhecimento precoce. Como ela estimula a produção de colágeno e elastina, a substância promove a suavização de marcas e linhas de expressão e rugas.

Utilize o ativo na prática de skincare

4. Como usar na rotina de skincare?

Para quem quer usar argila branca na rotina de skincare, o ideal é aplicá-la uma vez por semana ou no máximo a cada 15 dias, se for aplicada diretamente no rosto. Se não for uma máscara facial, mas fizer parte da composição de algum produto, você pode usá-la diariamente.

5. Como preparar a máscara de argila branca?

Se você optar por comprar a argila branca em pó, será necessário preparar antes da aplicação. Porém, não é nada difícil: basta adicionar uma colher de sopa de argila em pó junto a um pouco de água ou soro fisiológico em um vasilhame (que não seja de metal!) até formar uma pasta de consistência homogênea.

Porém, se você quiser mais simplicidade na sua rotina de skincare, aposte nas máscaras faciais prontas para serem aplicadas no rosto. Basta aplicar o produto com o auxílio de um pincel e deixar agir por 20 minutos. Depois é só lavar o rosto normalmente com água.

6. Argila branca é fácil de achar?

É muito fácil de achar. Você pode encontrar a substância na versão em pó para fazer máscaras ou na formulação de produtos de skincare. Para simplificar o seu ritual de beleza, invista em misturinhas prontas para aplicar no rosto.

agendou sua consulta?

Três dicas de como cuidar das mãos secas e manter a pele hidratada

Você tem notado suas mãos ressecadas e ásperas ultimamente? Fique sabendo que esse problema não está acontecendo à toa. Com o coronavírus, lavar as mãos e fazer uso do álcool gel o tempo todo se tornaram hábitos constantes e essenciais na rotina de higiene de todo mundo. Por outro lado, ao realizar essa limpeza, acabamos perdendo toda hidratação da pele, tornando a região seca, sensível e muitas vezes até descascando nas áreas de dobras. A boa notícia é que esse efeito pode ser tratado: basta adotar uma rotina de cuidados com um creme para mãos ressecadas. Veja só como esse produto faz toda diferença!

Por que as mãos ficam ressecadas e ásperas?

Quando lavamos as mãos com bastante frequência, é comum elas ficarem com aspecto seco, sensível e áspero. A região se torna assim porque a higiene com o uso de um sabonete muito adstringente causa o enfraquecimento da barreira cutânea, responsável por proteger a pele de bactérias e outros microrganismos.

O mesmo acontece quando usamos o álcool gel sem hidratar a pele das mãos logo em seguida. O problema pode se intensificar principalmente em pessoas com a pele seca ou que sofrem de doenças cutâneas, como a dermatite.

O que passar nas mãos ressecadas?

Para evitar que as mãos fiquem ressecadas e ásperas, é importante hidratá-las! Esse cuidado é fundamental para prevenir todo aquele aspecto seco e, consequentemente, o enfraquecimento da barreira cutânea. Para um resultado eficaz e instantâneo, é importante usar um produto específico como: um creme para as mãos ressecadas.

O dermocosmético deve ser aplicado após o álcool gel ou lavar as mãos sabonete, com o objetivo de renovar e hidratar a pele. É importante procurar cremes reparadores que, além da rápida absorção, tenha em sua fórmula ativos como ácido hialurônico, glicerina e ceramidas que fortalecem a barreira de proteção.

3 dicas de como cuidar das mãos secas e manter a pele hidratada

1. Use um creme que hidrata profundamente as mãos secas e rachadas, com rápida absorção, e que deixa a pele macia o dia inteiro, sem aquela sensação pegajosa.

2. Lave as mãos com uma loção de limpeza hidratante que limpa a pele profundamente, ao mesmo tempo que nutre e hidrata, sem influenciar negativamente na função da barreira cutânea.

3. Opte por um álcool gel com ativos hidratantes. Assim, suas mãos vão ficar limpar sem causar tanto ressecamento.

Extração de cravos em casa: 3 coisas que podem acontecer com a sua pele se você tentar fazer isso sozinha

Você adora extrair cravos (comedões) em casa, mas já parou para pensar no mal que esse hábito pode causar à sua pele? Além de agravar muito o quadro do comedão, podendo transformar o cravo em uma espinha inflamada, esse hábito acaba refletindo em outros problemas, como a formação de manchas escuras e cicatrizes hipertróficas no rosto.

“Posso extrair cravos em casa?”

Não, você não pode remover cravos em casa e a médica explica o porquê. Quando um comedão é manipulado ele pode se transformar em vários problemas, como em uma espinha, e desencadear o aparecimento de uma cicatriz.

O cravo é o aumento da secreção da glândula sebácea e esse acúmulo acaba ficando retido dentro do poro. Esse processo pode formar dois tipos de cravos: o fechado, que não tem contato com a superfície da pele (é só uma elevação) e o aberto, aquele pontinho preto mais comum.

3 riscos de remover cravos em casa sozinho

O cravo precisa ser removido de uma forma segura para que ele seja extraído completamente. Normalmente quando esprememos um cravo em casa, fica um pedacinho da secreção dentro do poro e isso acaba desencadeando um processo inflamatório mais grave.

Espinhas: formam-se quando a secreção do cravo não é removida do poro por completo, refletindo em uma inflamação.

Cicatrizes: quando o paciente aplica muita força na manipulação e acaba lesionando a pele, resultando nessa marca.

Manchas na pele: acontece depois que o cravo é espremido brutalmente o que resulta no excesso de formação de melanina no local.

Qual é a maneira mais segura de remover cravos?

A forma mais segura de remover cravos é com um dermatologista ou profissional de estética qualificado. O ideal é que a pele seja preparada, o profissional utilize substâncias para gerar o amolecimento dessa secreção e gerar uma dilatação dos poros com vapor, por exemplo. Com esse processo, o cravo sairá da pele por completo e com facilidade sem causar nenhum dano à pele.

Mancha avermelhada na pele do couro cabeludo: o que é?

Manchas na pele não aparecem só no rosto. Elas podem se formar nos lugares que você menos espera, como no couro cabeludo. Normalmente, nesta região a mancha costuma ter uma aparência bem avermelhada, como se fosse uma queimadura solar. Mas o que realmente significa esse problema?

O que pode ser uma mancha avermelhada no couro cabeludo?

Embora pareça estranho, a formação de manchas vermelhas no couro cabeludo não é tão incomum quanto pensam e possui alguns motivos relacionados. Pode ser de causa inflamatória e, neste caso, geralmente está associada a descamação e coceira na cabeça – aqui, devemos pensar em dermatite seborreica ou psoríase.

Quando a causa é genética, a mancha costuma ter uma coloração vinho e, na maioria dos casos, não reflete nenhum sintoma na pele. Nesta situação, a marca costuma se localizar na nuca e se caracteriza como um hemangioma plano.

Quais os tratamentos mais indicados para mancha avermelhada no couro cabeludo?

Para cada causa dessa mancha avermelhada, existe um tratamento específico. No caso das manchas inflamatórias, o ideal é utilizar shampoo anticaspa para amenizar a descamação e a coceira. Para as marcas dos hemangioma sugerimos o laser. Se for um tumor, se indica a remoção cirúrgica.

Lembrando que para ter um diagnóstico preciso, é importante consultar um dermatologista para receber os cuidados adequados. O importante é evitar automedicação e soluções caseiras para evitar efeitos colaterais ou alergias no couro cabeludo.

Como evitar essa mancha no couro cabeludo?

Agora, se você não tem uma mancha avermelhada no couro cabeludo, mas quer prevenir esse problema, principalmente em casos em que a dermatite seborreica já é ativa, é importante manter uma rotina de higiene: Lavar os cabelos todos os dias, de preferência pela manhã ajuda a diminuir o desenvolvimento da caspa.

Neste caso, você pode investir em um produto com função co-wash, que higieniza o couro cabeludo sem agredir. Ele remove toda a sujeira, excesso de oleosidade e acúmulo de produtos da região, evitando a formação da caspa. Assim, você consegue manter seu cabelo mais limpo e saudável.

Rotina de skincare anti-idade: 4 passos práticos para prevenir e minimizar os sinais do envelhecimento

Rugas, linhas de expressão, manchas no rosto e flacidez são alguns sinais do envelhecimento da pele. Eles podem aparecer a partir dos 25 anos – quando ocorre o começo da perda de colágeno – tornando-se mais evidentes com o passar dos anos. Para prevenir a redução precoce das fibras de sustentação, o ideal é adotar uma rotina de skincare anti-idade.

1º passo: lave o rosto com um sabonete hidratante

O objetivo da etapa de higiene é remover todas as impurezas da pele – desde o excesso de oleosidade e sujeira até aqueles resquícios de maquiagem e produtos que ficam acumulados no rosto. Para dar início à sua rotina anti-idade, aposte em um gel de limpeza específico para sua pele e que não deixe a região sensível ou ressecada.

Como a limpeza é feita, no mínimo, duas vezes ao dia, é ideal que o produto tenha em sua fórmula, ativos hidratantes para proteger a barreira cutânea e ajudar a manter o equilíbrio hídrico, como as ceramidas, o ácido hialurônico e a niacinamida, que reforçam a proteção, aumentam a hidratação e acalmam a pele.

2º passo: aplique um sérum que combate os sinais do envelhecimento

Com o rosto limpo, chegou a hora de aplicar um tratamento diurno que protege e cuida da sua pele ao longo do dia. Algumas opções são produtos em sérum com vitamina C, que além do seu poder antioxidante que neutraliza os radicais livres, também é capaz de aumentar a produção do colágeno, minimizando os efeitos do envelhecimento; e o próprio ácido hialurônico, que além de hidratar também promove preenchimento de linhas e rugas.

3º passo: finalize com um protetor solar com multibenefícios

Hoje em dia o protetor solar pode fazer muito mais do que apenas proteger a pele contra os danos causados pela radiação. Existem vários protetores que realizam várias funções, como a de anti-idade, que auxilia na prevenção e tratamento de rugas; ou a de despigmentante, que minimiza manchas e uniformiza o tom do rosto.

4º passo: à noite, repita a rotina de higiene e aplique um tratamento com retinol antes de dormir

O retinol é um ativo que transforma a sua pele! O ideal é apostar num produto com textura sérum que possua eficácia anti-idade sem comprometer a tolerabilidade, mesmo em peles sensíveis. O sérum possui Complexo Retinol, composto pelo retinol puro e pelo retinol de liberação progressiva, que ajuda a uniformizar a tonalidade da pele, além de tratar e combater o envelhecimento

Qual é a maneira correta de aplicar filtro solar em bebês?

Você já parou para pensar que as crianças também precisam de proteção solar e que existe uma maneira correta de aplicar o filtro no bebê? O uso do dermocosmético deve começar a partir dos seis meses, sendo necessário fazer uma dupla aplicação para garantir maior proteção contra os raios solares.

Bebês x proteção solar: cuidados necessários

O indicado é que o bebê não tenha exposição direta ao sol até os seis meses de idade, principalmente, nos horários de maior intensidade da radiação solar – entre 10h e 16h. Já depois de seis meses, o bebê deve usar filtro solar, chapéu com aba larga e roupas com proteção UV. “Assim, o dermocosmético pode ser passado apenas nas áreas expostas, já que a roupinha protege o resto do corpo. Lembre-se também que, sempre que possível, a criança também deve ficar na sombra”, afirma Dra. Marcella Nascimento.

Veja qual produto específico é recomendado para usar em bebês

A Dra. Marcella afirma que existem produtos específicos para a proteção solar das crianças, que são desenvolvidos com substâncias mais suaves. “Geralmente, os mais indicados são os protetores com mais filtros físicos, já que eles refletem a radiação UVA e UVB e causam menos alergias à pele sensível das crianças. Além disso, ele precisa ser à prova d’água”, explicou.

Qual é a forma correta de aplicar protetor solar em bebês Segundo a dermatologista, a forma de uso do filtro em crianças é similar com a de um adulto. Deve-se aplicar o produto uniformemente, 20 minutos antes da exposição ao sol. “Depois da primeira camada, passe uma segunda para intensificar ainda mais a proteção”, recomendou. “Os pais do bebê também precisam ficar atentos com a reaplicação a cada duas horas ou sempre que a criança se molhar por mais tempo”, disse.

Queratina: o que é? Quais os benefícios dessa proteína para o cabelo?

O que é a queratina?

A queratina é uma proteína de origem animal, formada por cerca de 20 aminoácidos, que está presente na nossa pele, unhas e cabelos. Mais conhecida pela sua função nos fios, ela representa 90% da formação dos folículos, sendo essencial para estes tenham vida, elasticidade e resistência.

Quais os benefícios da queratina para o cabelo?

No dia a dia, o cabelo sofre várias agressões – sejam elas químicas, como procedimentos como coloração e alisamento; térmicas, provenientes do calor de secadores, chapinhas e outros; físicas, como o atrito com pentes e escovas; ou externas, como a radiação ultravioleta, o vento e a poluição. Todas elas, em conjunto ou não, degradam a queratina existente, criando danos aos fios: pontas duplas, quebra e ressecamento.

Sendo assim, é necessário repor essa proteína através do uso de dermocosméticos que ajudem nesse sentido, como os shampoos, condicionadores e máscaras enriquecidos com queratina, para que os fios possam ser reconstruídos e fiquem mais resistentes às agressões.

Como incluir a queratina na rotina capilar?

Se o seu cabelo apresenta sinais de ressecamento, opacidade, efeito “chiclete” ou pontas duplas, está na hora de incluir um (ou mais) cuidados enriquecidos com queratina na sua rotina capilar! Na hora de investir em produtos específicos para isso, uma dica importante é procurar por dermocosméticos ao invés de cosméticos – vale a pena conversar com o seu dermatologista para te indicar o melhor!

Além disso, é importante observar a concentração de queratina nos produtos, para evitar sobrecarregar os fios com a proteína. O truque é “aumentar” a concentração ao longo dos fios, do seguinte modo:

– Para a raiz, em que os cabelos são novos e ainda não sofreram muita perda de queratina, aposte num shampoo enriquecido com uma concentração baixa da substância, 2% no máximo;
– No comprimento dos fios, em que existem fios saudáveis e fios danificados, use um condicionador com uma concentração ligeiramente mais alta, como 4%;
– Nas pontas, onde existem mais danos, use um leave-in com concentração mais alta, cerca de 10%.

Cuidados com o cabelo pós-coloração: saiba como cuidar dos fios para evitar a queda, quebra e pontas duplas

Cabelos ressecados danificados após a coloração
Cuidados com o cabelo pós-coloração

Ficar com os cabelos ressecados ou até danificados após a coloração é um efeito comum da química. De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), as madeixas ficam com esse aspecto por que as cutículas permanecem abertas e isso faz com que o fio perca toda a umidade, brilho e resistência. Para reverter esse quadro, é importante montar uma rotina de cuidados para cabelos coloridos e recuperar a saúde dos fios – como o ritual de hidratação, selagem capilar até parar com o uso da chapinha.

1) Fazer hidratação de cabelo toda semana

Quando o cabelo passa por algum processo químico (seja coloração, progressiva ou até mesmo o relaxamento dos fios), ele acaba perdendo toda a água da sua fibra. Por isso, os fios ficam mais ressecados, fragilizados, propensos à queda, quebra e às pontas duplas. Para ter cabelos bonitos e saudáveis novamente, é importante hidratar o cabelo. Aposte em uma máscara ou ampola hidratante para cabelos danificados ou que passaram por alguma química.

Como hidratar o cabelo?

Passo 1) Após lavar os fios com shampoo sem sulfato, aplique o creme no cabelo, dando bastante atenção às pontas duplas.

Passo 2) Vá aplicando o produto hidratante – máscara ou ampola – mecha por mecha, massageando suavemente.

Passo 3) Faça um coque baixo, prenda o cabelo com uma presilha e deixe agir pelo tempo recomendado.

Dica: para que o produto penetre melhor nos fios, cubra os cabelos com uma touca térmica de alumínio.

Passo 4) Por fim, é só enxaguar bem o cabelo até remover todo o produto.

2) Usar uma linha de shampoo e condicionador antiquebra e queda

Após o processo de coloração, também podemos perceber que o cabelo fica caindo muito, devido ao enfraquecimento dos fios por conta da química. Também acontece do fio partir ao meio por conta dessa fragilidade. Por isso, é importante incluir na sua rotina de cuidados com o cabelo uma linha de tratamento antiqueda, como o shampoo e condicionador Energizante de Vichy.

3) Mesclar a lavagem com um creme de limpeza

O uso diário do shampoo acaba ressecando mais ainda o cabelo danificado pela coloração. Para evitar essa situação, o ideal é alternar o produto com um creme de limpeza capilar. Essa opção, que substitui o shampoo e o condicionador, limpa sem agredir, condiciona enquanto hidrata e acalma o couro cabeludo.

4) Fazer uma selagem capilar

A selagem capilar é outro tratamento que mantém seus cabelos saudáveis. O procedimento devolve as proteínas perdidas pelo fio durante a química. Para melhor resultado, procure um salão de confiança para realizar a selagem.

5) Dar um tempo no uso da chapinha, do secador e babyliss

Usar todos os dias secador, chapinha e babyliss também acaba com a saúde dos fios. Se você acaba de pintar o cabelo, dê um tempo dessas ferramentas de calor e prefira manter o cabelo natural por um tempinho até que ele se recupere do dano.

6) Borrife água termal nos fios

Você sabia que a água termal não serve apenas para a pele? O cabelo também pode receber os benefícios da solução, principalmente quando os fios estão com aquele aspecto ressecado.

Outubro rosa: mês de conscientização sobre o câncer de mama

Outubro Rosa é um movimento internacional de conscientização para o controle do câncer de mama, criado no início da década de 1990 pela Fundação Susan G. Komen for the Cure. No Brasil, a comemoração foi instituída pela Lei nº 13.733/2018.

A data é celebrada anualmente com o objetivo de compartilhar informações e promover a conscientização sobre a doença; proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.

Neste Outubro Rosa 2020, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) lança o movimento de conscientização “Quanto antes melhor”. A ideia é chamar a atenção das mulheres para a adoção de um estilo de vida saudável no dia a dia, com a prática de atividades físicas e boa alimentação para evitar doenças, entre elas, o câncer de mama. A SBM quer reforçar que há muita vida após o câncer de mama e que o cuidado com a saúde feminina deve ser olhado com atenção, principalmente neste momento em que o rastreamento e o tratamento foram prejudicados e ainda estão sendo retomados por conta da pandemia de Covid-19.

O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres, no Brasil e no mundo, correspondendo a cerca de 25% dos casos novos de câncer a cada ano. Esse percentual é de 29% entre as brasileiras.

É causado pela multiplicação desordenada das células da mama. Esse processo gera células anormais que se multiplicam, formando um tumor. Há vários tipos de câncer de mama. Alguns têm desenvolvimento rápido, enquanto outros crescem mais lentamente. Esses comportamentos distintos se devem às características próprias de cada tumor.

Exame clínico das mamas:

É o exame realizado por médico ou enfermeiro treinado para essa atividade. Neste exame poderão ser identificadas alterações e, se necessário, será indicado um exame mais específico, como a mamografia, um raio X que permite descobrir o câncer quando o tumor ainda é bem pequeno.

O câncer de mama pode apresentar diversos sintomas, mas pode também ser assintomático para muitas mulheres. É importante, portanto, que a mulher conheça bem o seu corpo e possa analisar com frequência qualquer alteração nas mamas e procurar o médico ao notar alguma anormalidade.

Possíveis sinais e sintomas:

– alterações no tamanho ou forma da mama;

– nódulo único e endurecido;

– vermelhidão, inchaço, calor ou dor na pele da mama, mesmo sem a presença de nódulo;

– nódulo ou caroço na mama, que está sempre presente e não diminui de tamanho;

– sensação de massa ou nódulo em uma das mamas;

– sensação de nódulo aumentado na axila;

– espessamento ou retração da pele ou do mamilo;

– secreção sanguinolenta ou aquosa nos mamilos;

– assimetria entre as duas mamas;

– presença de um sulco na mama, como se fosse um afundamento de uma parte da mama;

– endurecimento da pele da mama, semelhante a casca de laranja;

– coceira frequente na mama ou no mamilo;

– formação de crostas ou feridas na pele junto do mamilo;

– inversão do mamilo;

– inchaço do braço;

– dor na mama ou no mamilo.

O aparecimento dessas anormalidades pode ocorrer de forma isolada ou simultânea. É importante lembrar que esses sinais nem sempre indicam a presença de um câncer, sendo necessário consultar um médico para ter o correto diagnóstico.

Tratamento:

Existem diversos tipos de tratamento indicados para combater o câncer de mama. O plano terapêutico a ser adotado deverá ser definido pelo médico, mediante a análise de todos os exames realizados e pelos dados fornecidos pelo médico patologista, após a realização de biópsia.

A paciente deve ser informada sobre as melhores possibilidades de tratamento existentes para o seu caso, mesmo aquelas que não estejam ao alcance da cobertura do plano de saúde ou que não sejam acessíveis gratuitamente via SUS. É direito da paciente questionar e discutir com o médico todas as opções.

Prevenção:

O câncer de mama não é uma doença totalmente prevenível em função da multiplicidade de fatores relacionados ao seu surgimento e ao fato de que vários deles não são atitudes modificáveis. De modo geral, a prevenção baseia-se no controle dos fatores de risco e no estímulo aos fatores protetores, especificamente aqueles que podem ser mudados com a adoção de hábitos saudáveis:

Dicas de hábitos ideais para uma rotina saudável:

– alimente-se bem e não fique muito tempo sem comer, ou seja, prefira comer de três em três horas, em pequenas quantidades, sempre priorizando os alimentos naturais e evitando os alimentos industrializados;

– evite o excesso de gorduras e carboidratos simples, como açúcar adicionado aos alimentos, doces, sucos de caixinha ou saquinho, refrigerantes, pão branco, macarrão, sempre preferindo as opções integrais;

– procure ingerir proteínas de boa qualidade, principalmente frutas, legumes e verduras por serem fontes de vitaminas e minerais essenciais e ricas em fibras que ajudam na saciedade e no funcionamento adequado do intestino;

– pratique exercícios físicos durante a semana. O ideal são 150 minutos de atividades físicas moderadas ou 75 minutos de atividades vigorosas divididas pelos dias da semana;

– planeje o seu dia alimentar e tente segui-lo.

Fontes:

  • Blog da Saúde
  • Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA)
  • Instituto Nacional de Câncer (INCA)
  • Ministério da Saúde
  • Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM)

Alopecia Areata: doença inflamatória que provoca a queda de cabelo

Alopecia areata é uma doença inflamatória que provoca a queda de cabelo. Diversos fatores estão envolvidos no seu desenvolvimento, como a genética e a participação autoimune. Os fios começam a cair resultando mais frequentemente em falhas circulares sem pelos ou cabelos.

A extensão dessa perda varia, sendo que, em alguns casos, poucas regiões são afetadas. Em outros, a perda de cabelo pode ser maior. Há casos raros de alopecia areata total, nos quais o paciente perde todo o cabelo da cabeça; ou alopecia areata universal, na qual caem os pelos de todo o corpo. A alopecia areata não é contagiosa.

Fatores emocionais, traumas físicos e quadros infecciosos podem desencadear ou agravar o quadro. A evolução da alopecia areata não é previsível.  O cabelo sempre pode crescer novamente, mesmo que haja perda total. Isto ocorre porque a doença não destrói os folículos pilosos, apenas os mantêm inativos pela inflamação.

Entretanto, novos surtos podem ocorrer. Cada caso é único. Estudos sugerem que cerca de 5% dos pacientes perdem todos os pelos do corpo.

Quais os sintomas?

A alopecia areata não possui nenhum outro sintoma além da perda brusca de cabelos, com áreas arredondadas, únicas ou múltiplas, sem demais alterações. A pele é lisa e brilhante e os pelos ao redor da placa saem facilmente se forem puxados.

 Os cabelos, quando renascem, podem ser brancos, adquirindo posteriormente sua coloração normal. A forma mais comum é uma placa única, arredondada, que ocorre geralmente no couro cabeludo e barba, conhecida popularmente como pelada.

Outras doenças autoimunes podem acontecer em alguns pacientes, como vitiligo, problemas da tireoide e lúpus eritematoso, por exemplo. Portanto, muitas vezes se faz necessária a reavaliação de exames de sangue. O principal dano aos pacientes é mesmo o psicológico. A interferência na rotina diária nos casos mais extensos pode prejudicar a qualidade de vida.

Prevenção:

Não há formas de prevenir a doença uma vez que suas causas são desconhecidas, mas há algumas dicas para que a pessoa se sinta melhor:

  • Procurar se informar sobre a doença. Conhecer mais sobre o problema ajuda a compreender a evolução da doença e reduzir a ansiedade.
  • Usar maquiagem para minimizar a aparência da perda do cabelo.
  • Investir em perucas, chapéus e lenços para proteger a cabeça. Além de serem estilosos, deixam o visual mais moderno.
  • Reduzir o estresse: as crises agudas de queda podem se associar a períodos críticos de estresse, tais como problemas no trabalho ou na família, mortes, cirurgias, acidentes etc.

Embora a doença não seja clinicamente grave, pode afetar o estado emocional. Os grupos de apoio estão disponíveis para ajudar a lidar com possíveis efeitos psicológicos. 

Informações retiradas do site: Sociedade Brasileira de Dermatologia

Abrir bate-papo
1
Escanear o código
Olá Clinica Optimize! Cheguei até aqui pelo link da sua Landing Page, podemos conversar? []